13 de out. de 2020

Thera Cosméticos Samia - Avaliação Perfume Contratipo (Clean Warm Cotton)

 


É interessante que a Thera Cosméticos escolha o nome Samia para a sua interpretação do perfume Clean Warm Cotton. Esse é um nome de origem Árabe e Africana que significa "importante, exaltado e elogiado", uma escolha curiosa para um perfume cuja o conceito original é o de capturar a sensação de uma toalha quente e macia recém saída da secadora de roupas. Eu entendo que há uma referência discreta aí justamente ao perfume nacional descontinuado que se tornou importante, exaltado e elogiado pelos seus órfãos: Xuxa Meneghel by Jequiti.


E é justamente essa semelhança e esperança de substituição que torna Samia interessante aos órfãos do aroma da rainha dos baixinhos. Mas pesquisando a respeito do perfume Clean Warm Cotton percebe-se que há algumas diferenças entre o Clean e a fragrância da Xuxa e de maneira geral essas diferenças são percebidas aqui tbm. Provavelmente a Jequiti ao lançar sua versão fez algumas escolhas que favoreceram mais a saída e a explosão inicial do perfume mas que também o deixaram mais estridente e com mais cheiro de produto funcional. A versão da Thera Cosméticos tenta retornar às mesmas características da ideia original, mesmo que isso sacrifique uma projeção monstruosa inicial.


Sentindo Samia e Xuxa lado a lado é possível perceber o dna em comum: o cheiro cítrico e brilhante, o aspecto adstringente e o aroma macio remetendo a roupa lavada. Essses mesmos blocos são mantidos em ambas as fragrâncias, porém Samia parece ir pelo caminho de dar mais ênfase a parte floral e aromática da composição, reduzindo em partes o papel adstringente e estridente dos cítricos da saída.


É interessante que Samia para mim traga uma nova memória olfativa além dos aromas de desinfetante, sabão em pó e de veja multi-uso. Quando o aplico na pele sou imediatamente remetido aos meus tempos de infância, ao cheiro de uma folha de papel quente recém passada pelo mimeógrafo. É uma recordação olfativa muito querida minha, um cheiro metálico, quente e levemente limpo que só quem viveu essa época é capaz de entender e recordar. Essa impressão não dura muito e rapidamente dá espaço para o cheiro cítrico, estridente e adstringente que imediatamente faz a ponte com o perfume da Xuxa.


Em Samia essa saída polarizante acontece de maneira mais rápida e talvez até decepcione quem gostava justamente dele por isso. Para os outros é um alívio e trás maior refinamento e qualidade à fragrância. O ar de limpeza da mesma ganha um leve toque de lavanda aqui e se torna mais macio com uma ideia de flor de laranjeira que é muito utilizada em sabão em pó, uma levemente cítrico, atalcadinha e limpa. Há um leve toque de flor branca aqui tbm, como se a roupa tivesse passado por um amaciante de flores do campo. 


Com a maior concentração de Samia, além da saída mais breve e menos estridente o perfume ganha mais ênfase nas notas de base, em especial no aroma de musks. As madeiras parecem um pouco mais suavizadas aqui que na versão do Clean feita para a Xuxa. Isso faz também com que se perceba mais um toque de talco na parte final, como se fosse um talco bem limpo e macio, o que pode ser a utilização de alguns musks clássicos da perfumaria que tem justamente esse aspecto (nitromusks). Considerando que o original custa hoje entre 400 e 600 reais e que a criação da Xuxa chega a custar qualquer coisa entre 200 e 800 reais Samia é uma alternativa muito boa e interessante pelo que oferece em seu aroma.