10 de nov. de 2020

Antiga Barbearia de Bairro Chiado - Avaliação Perfume

 

A Antiga Barbearia de Bairro é uma marca portuguesa que busca honrar e resgatar os clássicos rituais de barbearia masculina. Ao mesmo tempo seu criador e diretor artístico também resgata e honra a história de Portugal por meio de bairros famosos do país e da cultura que cerca tais lugares.


Para o terceiro perfume que integra a coleção Luis Pereira homenageia Chiado, um bairro de Lisboa famoso por suas manifestações culturais, pelo aspecto cosmopolita e boêmio e pela sua fama de ser o bairro dos poetas escritores e artistas. Chiado é também um bairro que mistura a clássica tradição portuguesa com o que é moderno e cool no momento. Certamente não é uma tarefa fácil criar um perfume que encapsule totalmente tal lugar.


A fragrância escolhe o tabaco como fio condutor dessa narrativa romântica, boemia e despojada e a fragrância Chiado caminha num fino equilíbrio entre tradição e modernidade de fato. É como se Luis e o perfumista tivessem conceitualizado uma maneira de encaixar um aroma retrô de barbearia com toques de um fougere moderno e um lado sutilmente floral mais extravagante.


Por mais que sua inspiração tenha um aspecto retrô, Chiado não é um perfume pesado e denso na pele. A saída de cravo da índia traz o lado mais medicinal e quente das loções clássicas de barbear mas o mesmo tempo ela é acompanhada por um frescor mentolado que beira o aromático aquático, como se trouxesse um toque natural de ervas e um leve aspecto salino à composição.

No centro de Chiado mora o aroma da folha de tabaco, que contribui com seu aspecto mais boêmio à composição. O absoluto de folha de tabaco é um material que dá a um perfume um cheiro de tabaco que não é tão defumado, sendo mais herbal, seco e picante e com um leve quê de tonka e mel. Essas nuances podem ser percebidas em Chiado, acompanhadas do aspecto mais medicinal e quente do tabaco. Ao mesmo tempo temos um toque mais romântico e carnal de jasmim, dando uma sensualidade inesperada à composição.


Na base temos essa mesma dicotomia entre tradição e modernidade. A presença do Vetiver e Patchouli é mais natural aqui e trazem um aspecto amadeirado mais terroso e úmido ao cheiro de Chiado, resgatando a finalização de um perfume fougere clássico. Entretanto temos um uso considerável de musk aqui, arredondando e tornando o perfume mais macio. Ao mesmo tempo temos a presença de um ambar mais potente e seco, uma forma de emular nuances de tabaco no fim da composição e de trazer um aspecto mais moderno à ideia. Chiado é uma tentativa bem sucedida de criar um perfume retrô contemporâneo cuja as nuances secundárias fazem uma boa homenagem ao bairro do qual vêm seu nome e inspiração.