13 de nov. de 2020

Guerlain Iris Torréfié - Avaliação Perfume

 


Não é a primeira vez que a Iris é protagonista dentro da exclusiva linha L'Art Et Matiére. A descontinuação de Iris Ganache deixou muitos órfãos de seu aroma powdery, gourmand e floral e certamente havia expectativas de que Iris Torréfié pudesse ser relacionado de alguma maneira a ele. Entretanto a Guerlain escolhe um caminho diferente para exploração de uma de suas notas mais importantes na criação do DNA da marca.


Presente no que se tornou ao longo a Guerlinade, a Iris é um material essencial para clássicos como Shalimar, L'Heure Bleue e Aprés L'Ondée. A marca faz questão de exaltar em Iris Torréfie o caráter nobre e raro da iris, chamando-a de Ouro Azul da perfumaria e evidenciando o rico e complexo perfil olfativo do material - suas nuances de amadeiradas, atalcadas e que remetem a violeta. A Iris também é conhecida por trazer um aspecto meio melancólico e frio a alguns perfumes quando se utiliza o absoluto obtido de seus rizomas. Para evitar isso Delphine Jelk utiliza o aroma de um café levemente gourmet para trazer algo mais vibrante para a iris, para "fazê-la sorrir".


Diria que Iris Torréfié é uma espécie de exercício moderno na construção de um clássico Guerlain - temos o aspecto enigmático e complexo dos clássicos da marca porém feito a partir de protagonistas olfativos modernos e favorecendo luminosidade e equilíbrio do começo ao fim da composição. Não é uma saturação de iris, café ou de qualquer um dos elementos listados em sua composição e sim uma sinfonia entre todos eles, onde a iris permanece como voz principal.

É interessante como a marca utiliza o café pela primeira vez em uma de suas fragrâncias, trazendo uma sinfonia inusitada com o aroma da iris. Temos aqui uma iris mais vegetal e seca com o aspecto atalcado bem sutil, quase que sugerido. O café cria um aroma torrado e quente ao redor dela e é um dos responsáveis em harmonizar suas facetas mais difíceis.

Outro protagonista importante de Iris Torrefié é a presença da nota de chá. Ainda que esteja listada na base da composição seu aroma combina bem com os cítricos da saída e provê um aspecto luminoso e levemente floral ao corpo da composição, ajudando a trazer leveza para a temática principal. Na base, um couro mais rústico e seco atua como contrapeso para um aroma mais adocicado de baunilha e ambar, uma forma de homenagear as evoluções orientais dos clássicos Guerlain.

Iris Torréfié não é um segundo Iris Ganache e também não é um perfume retrô e vintage, porém a forma como é entregue a fragrância realmente cria uma iris nobre, elegante e interessante em seus detalhes. Não é um perfume simples mas ao mesmo tempo não é um perfume difícil de ser apreciado e de ser usado e isso é certamente um aspecto ganhador nesse novo membro da já consagrada coleção exclusiva da Guerlain.