10 de dez. de 2020

Granado Bossa - Avaliação Perfume

 


Com 150 anos de idade a Granado nunca esteve mais jovem. A marca ressurgiu nos últimos anos no mercado nacional com uma perfumaria acessível e artística, sempre balanceada entre o ousado e o clássico. Para comemorar seus 150 anos de existência a marca resolve homenagear seu berço de existência, o Rio de Janeiro, e cria Bossa, uma fragrância que exalta o litoral do Rio, o verão carioca e a descontração da cidade.

Bossa não deixa de ser um perfume que trás em sua inspiração o clichê tropical e fresco que é atrelado ao Brasil. A diferença talvez é que esse clichê é executado com maestria pela perfumista Cécile Zarokian, como se fosse uma espécie de carta de amor da perfumista pelo nosso país. Cécile entrega a granado uma composição sensual, fresca e vibrante e que não perde um momento sequer de sua evolução na pele para nos entregar uma visão paradisíaca do rio.

A saída de Bossa é uma alusão muito interessante ao mar, algo que equilibra o aspecto ardidinho do limão com a doçura da mandarina e a floracidade mais amarga do petitgrain de laranjeira. Há um leve toque aquático muito bem encaixado e que cria um aspecto salino e aerado nesse primeiro momento.

Bossa surpreende pela maneira como trás sempre o frescor cítrico e uma voluptuosidade floral bem tropical. O frangipani e o tiaré nos trazem uma brisa floral levemente frutada e narcótica e o leite de coco nos dá um leve toque cremoso e adocicado à mistura. Musks e cashmere sustentam a fragrância de uma maneira leve, macia e mineral. Como uma Eau de Toilette Bossa é vibrante e de duração moderada, mas é um perfume tão bem feito e agradável que dá vontade de reaplicar constantemente para nos sentirmos nas nossas melhores férias de verão no Rio. É uma bela homenagem a cidade e uma maneira bem jovem da Granado de celebrar seus 150 anos de vida.