14 de jan. de 2021

Boticario The Alchemists Rose - Avaliação Perfume



Conforme avanço na minha série de testes com a linha The Alchemists um padrão surge na execução olfativa de cada temática. As fragrâncias vão numa direção minimalista, como se cortassem qualquer interferência olfativa que notas mais marcantes poderiam ter. Isso faz com que elas sejam trabalhadas em pedestais olfativos de musk e materiais minerais e transparentes, comprometendo sua performance.

Para o perfume Rose a marca trás o experiente perfumista da Firmenich, Vincent Schaller, responsável por fragrâncias da La Lebo, Oriflame, Max Mara, Grés e Kylie Minogue. Vincent propõe e Rose um olfativo delicado que enaltece a rosa de maio e ressalta suas nuances mais frutadas e verdes.

Rose abre com um aroma bem suculento e cintilante, onde o grapefruit provê corpo a um acorde de Lichia que traz uma sensação aquosa, um leve aspecto de pêra e um toque frutado rosado. A framboesa acrescenta um aspecto adocicado e mais suculento e ambas frutas enaltecem bem os toque frutados da rosa que reina no centro da composição.

A Rosa de Maio é uma das rosas mais clássicas da perfumaria e uma das que pode dar um ar mais datado à uma composição. Aqui ela é calibrada com as frutas para que uma sensação de pétalas rosas prevaleça ao passo que nuances atalcadas e verdes ficam em segundo plano. Ela é complementada e sustentada por uma base segunda pele de musks e cedro que se mantém durante a evolução.

De maneira geral The Alchemists Rose soa como uma versão enaltecida de um perfume floral frutal comercial, como se a riqueza da rosa desse mais qualidade a ideia. A execução mais minimalista é algo que pode decepcionar aos que esperam uma perfumaria luxuosa e com performance, ainda mais para o preço cobrado.