18 de jan. de 2021

Louis Vuitton Afternoon Swim - Avaliação Perfume



Amostra enviada por Kenya Ferreira. Encomendas podem ser feitas via instagram: https://www.instagram.com/kenyadacosta01/

Havia uma barreira comercial no passado para que Colognes fossem vendidas como algo de luxo pois sempre foram vistas como algo barato, mas isso foi transposto com Tom Ford e seu Neroli Portofino. O Sucesso de marcas como Creed, Atelier Cologne e Jo Malone mostram que há mercado para esse tipo de produto de fato. A Louis Vuitton tenta competir nesse mercado com a sua nova trilogia de perfumes mas o que irá pesar aqui é mais o nome da marca, visto que no melhor cenário (Cactus Garden) o que é proposto é meramente bom.

Afternoon Swim representa para mim o pior do cenário, o tipo de criação oportunista, um projeto ralo e pobre de significado, coerência e profundidade. Nem mesmo a performance aqui é algo que realmente se destaque, o que é um pouco decepcionante dado o preço e o posicionamento. É como se a Louis Vuitton acreditasse que pudesse vender qualquer coisa ligada a seu nome que o seu consumidor será incapaz de perceber que está pagando caro e recebendo algo barato. Não há justificativa aqui para o que é entregue.

Afternoon Swim é conflitante do ponto de vista conceitual: o foco é no frescor dos cítricos, mas a cor do frasco é um azul que claramente indica inspirações aquática. Essas duas vertentes é que levam o perfume de uma maneira meio conflitante. O próprio conceito parece algo mal pensado do ponto de vista dos cítricos: parece que o objetivo é capturar o frescor dos cítricos de uma maneira natural, mas ao mesmo tempo há uma artificialidade aqui que quer distorcer isso para transmitir a ideia de uma grande dose de vitamina C (o que é estranho num perfume de luxo).

Obviamente que um perfume não se sustenta apenas com laranja, bergamota e mandarina e a marca não te conta que encaixa em segundo plano um acorde verde e aquático de violetas e um leve quê ozônico aquático. Inclusive esse aspecto aquático dá uma impressão desconfortável visto que quando os musks predominam e os cítricos suavizam não há que esconda o cheiro de ovo do calone. A parte de musk inclusive não passa o aspecto de luxo que é cuidadosamente construído nos perfumes da Creed (um luxo as vezes tedioso, mas ainda sim um luxo) e parece a finalização de um perfume comercial onde o orçamento acabou, inclusive tendo uma performance do medíocre para o ruim. 

Projetos como esse só vendem justamente pela falta de educação olfativa dos consumidores e pela nossa grande influência em comprar primeiramente nomes e conceitos e só depois o aroma em si. Não recomendo, principalmente não recomendo no escuro.