23 de fev. de 2021

Guerlain Fol Arôme 2020 - Avaliação Perfume



Relançado em 2020, Fol Arôme é um presente da Guerlain aos seus fãs mais fieis e uma forma da marca resgatar seu vasto catálogo de clássicos. Lançado originalmente em 1912 o perfume sofreu um processo meticuloso de restauração pelo perfumista Thierry Wasser, com o objetivo de manter a fórmula fiel à fragrância original.


Há pontos intrigantes na história de Fol Arôme. Em estilo olfativo sua fragrância remete ao clássico L'Heure Bleue mesmo que não seja uma derivação direta dele. Por quê teria então a Guerlain lançado dois perfumes similares em 1912, mas em estilos tão distintos na narrativa? Um Celebrando a alegria de viver da Belle Époque e outro trazendo uma reflexão sombria e romântica dos tempos difíceis que estavam por vir?

É possível que Fol Arôme tenha sido lançado previamente pela Guerlain em 1896 pelas referências encontradas por uma colecionadora. Fol Arôme teria então sido relançado pela Guerlain em 1912 junto com L'Heure Bleue no frasco bouchon coeur como uma forma de promover o intrínseco elo entre ambas fragrâncias. Mas isso são apenas especulações que podemos fazer visto que a história oficial que nos é contada parte do lançamento em 1912.

Como uma fragrância que celebra a excitação da virada do século e da Alegria de viver da Belle Époque, Fol Arôme é descrito como bem a frente de seu tempo, irreverente, inesperado e com um ar de ambiguidade em seu aroma floral atalcado. Para o nosso contexto e realidade Fol Arôme soa extravagante, oferecendo o melhor dos materiais clássicos da perfumaria e nos permitindo ver o aspecto artístico dos perfumistas da Guerlain.

Pela versão que nos é apresentada, Fol Arôme parece um descendente da mesma linha de fragrâncias como Aprés L'Ondee e L'Heure Bleue mas com uma extravagância tropical que nos é apresentada pela saturação floral. Isso de fato era a frente de seu tempo, visto que no começo do século muitos perfumistas eram reticentes a utilizar os sofisticados e potentes novos absolutos florais e aromas sintéticos disponíveis como novidade. Esse aroma poderia ser visto como uma loucura para as pessoas da época.

A fragrância abre com um floral narcótico e de nuances herbais, algo que me remete imediatamente à extravagância do ylang-ylang. Os cítricos quase não são perceptíveis aqui e o toque frutado está a serviço dessa extravagante saída. Nuances de ervas anisadas e um toque mais seco de cravo da índia criam para mim a ilusão da polpa de uma fruta recém chegada dos trópicos - é como se eu visse o fruto do cacau bem diante dos meus olhos.

Na evolução o lado mais narcótico e tropical abre espaço para um aroma extravagante de jasmim, rosa e narciso. A iris surge logo em seguida magnificada em sua versão de absoluto de iris, trazendo o aspecto terroso e vegetal ao aroma. Ele é complementado por um toque moderado atalcado e por nuances amendoadas que remetem a heliotropina e que podem ser devido a presença da mimosa.

Na base Fol Arôme é mais discreto e aconchegante e talvez seja o ponto onde a fragrância atual possa divergir do original. Percebo que as notas atalcadas envolvem a doçura cremosa da baunilha e são marcadas pela maciez dos musks - é provável que o original trouxesse o aspecto mais atalcado e animálico dos nitro-musks que não são mais utilizados hoje em dia. Isso entretanto é uma modernização que não compromete a sinfonia e a arte que nos é proposta aqui. Fol Arôme é uma extravagância, um ode à herança da marca, um estudo da arte da Guerlain e um ítem para o colecionador e aficcionado pela Guerlain.