1 de abr. de 2021

Guerlain Bois d'Armenie - Memórias Pessoais



Se Habit Rouge foi o primeiro perfume da Guerlain que conheci e que marcou minha transição para o mundo adulto foi em Bois d'Armenie que o amor pela marca começou a nascer. Ali seria o início de uma intensa paixão que tem durado todos esses anos e que me levou a buscar entender melhor a marca e seus clássicos. E com Boi d'Armenie o amor foi a primeira vista e à distância, desde o primeiro dia que vi seu lançamento.

Em 2006 o cenário de perfumaria no Brasil era bem diferente do que é hoje. Perfumes exclusivos e de nicho não chegavam ao nosso território, praticamente não haviam vendedores que importassem tais artigos e era difícil conseguir amostras e decants para conhecer. Pessoalmente eu estava começando minha carreira profissional, era estagiário e meu salário ia para ajudar em casa a manter a situação após o falecimento do meu pai. Era uma situação com baixas chances de conhecer meu amor à primeira vista.

Ainda sim a vida resolveu me dar uma ajuda e um amigo vendedor que morava nos Estados Unidos conseguiu me enviar uma amostra dele. Quando senti o amor que era apenas teoria virou amor na prática e me encantei com o aroma misterioso, resinoso e um pouco adocicado de Bois d'Armenie. Ele nunca foi um perfume unânime em amor entre as pessoas mas seu aroma quente, misterioso e com um toque cerimonial em seu aroma de incenso me fez sentir envolvido em seu abraço perfumado. Tendo recursos financeiros limitados me esforcei para conseguir comprá-lo e valeu a pena cada centavo que foi pago na época. Mesmo depois de muitos testes, muitos perfumes avaliados e conhecidos Bois d'Armenie ainda guarda um lugar especial em meu coração como um amor misterioso e impossível que tinha tudo para não se concretizar mas que pelo meu grande desejo, esforço e pela ajude de um amigo tornou-se realidade.