5 de mai. de 2021

Memória Olfativa - Daniel Barros Rosa Libre


Cada memória olfativa me traz uma alusão e narrativa diferente. Essa em especial me faz pensar como determinadas amizades são como perfumes recém-misturados: por mais que haja boas intenções e estrutura ali apenas o tempo será capaz de arredondar arestas ásperas e revelar ou até mesmo intensificar a essência do que é capturado, seja por meio de uma amizade ou por meio de um aroma. E é assim que penso em relação ao meu amigo Daniel Barros, uma pessoa que conheci após voltar ao Facebook depois de 6 meses ausente devido a um período depressivo.

Com o Daniel foi uma identificação a primeira vista,  uma conexão instantânea e um sentimento de ter finalmente encontrado alguém no Brasil que fosse tão fanático pela perfumaria como eu sou. Como muitas coisas na minha vida fui intenso em me aproximar de meu amigo recém chegado e aos poucos nossa amizade foi passando pelas provas do tempo e resistiu a todas as dificuldades que poderiam existir. E certamente o Daniel foi uma das pessoas que mais acabou me influenciando, iniciando um trabalho de auto-conhecimento e cuidado que foi essencial para a jornada de evolução na minha vida.

Há várias fragrâncias e memórias que eu poderia associar ao meu amado amigo, porém uma delas captura um momento único da jornada dele do qual eu pude participar, colaborar e aprender junto desse processo. Meu amigo sempre foi uma pessoa obstinada, talentosa e altamente produtiva - coisas que eu sempre admirei nele e que eu não via em mim. Havia uma coragem no Daniel que o levava a fazer coisas que a princípio pareciam impossíveis mas que com o tempo, esforço e colaboração davam muito certo. 

Foi assim com o lançamento da coleção barista em 2016, um momento onde a perfumaria independente e artesanal começava a tomar seus primeiros passos. A grande curiosidade e ousadia do meu amigo Daniel o levou em um momento a decidir que desejava aprender a criar perfumes que mesclassem o melhor dos materiais naturais com o melhor dos sintéticos. Isso levando em conta um conceito que dedicava uma nota preciosa a cada tipo de bebida diferente. Não tínhamos a experiência de indústria, apenas literatura técnica, nossos narizes treinados pelas fragrâncias e alguns truques criativos para partir de um ponto inicial de criação das fórmulas.

O mais impressionante é que um dos melhores perfumes feitos dentro dessa coleção foi justamente um que praticamente não sofreu alterações. Rosa Libre utilizava uma qualidade premium de óleo essencial de rosas, bons cítricos, patchouli e ambar e muitos outros materiais que lhe davam uma ilusão de aroma de Cuba Libre. É uma fragrância que poderia ter nascido dentro de uma grande casa de fragrâncias mas nasceu nas mãos de uma pessoa criativa, obstinada e apaixonada por tudo que faz. E ter participado desse momento e do nascimento de algo tão precioso e livre foi uma experiência que só se deu graças a essa amizade especial que surgiu devido a uma paixão em comum. E é algo que levarei para o resto da minha vida.