11 de mai. de 2021

O.u.i/Oui Hôtel de Ville 193 - Avaliação do Perfume

Avaliação vídeo no canal Perrella & Perfume: https://www.youtube.com/watch?v=hfxe0hXkvpk

Uma coisa que muito me agrada e ao mesmo tempo me incomoda na linha Oui é a criação da narrativa que justifica a existência do conceito da marca e das fragrâncias. Sei que para o consumidor final isso muitas vezes pouco importa mas quando eu avalio um perfume isso faz diferença para que eu entenda qual foi o propósito ou ideia a ser passada ali.

Em Hotel de Ville 193 uma das coisas que me agrada é o fato da marca fazer a ligação de uma das principais notas da criação com o savoir faire que rege a linha. Aqui temos em exaltação a erva sálvia, muito utilizada na culinária mediterrânea. A marca peca em não trazer uma descrição do aroma da sálvia mas pelo que pesquisei seu cheiro na perfumaria é utilizada para criar notas herbais secas com aspectos secundários especiados e amadeirados. Outro ponto que a marca peca é em não explicar em nenhum local o motivo da fragrância se chamar Hotel de Ville e muito menos explicar o que significa o número 193.

Além da sálvia a marca destaca o gengibre e o calor do musgo encorpado e esse é outro ponto onde me sinto incomodado também. Musgo de carvalho é hoje um material tão restrito em dosagem que dificilmente terá um aroma encorpado. Seu cheiro naturalmente é algo umido, um herbáceo e terroso, porém não é algo potente. E no fundo o que essa narrativa esconde é que a Oui/Boticário estão criando mais uma variação do Aventus no mercado.

Temos em Hotel De Ville 193 uma variação da ideia do Aventus que explora o aspecto defumado e amadeirado de sua base e o contraste com as notas cítricas e aromáticas. Na saída a bergamota acrescenta um frescor elegante e é complementada por um gengibre ardidinho e com um toque de limão. A toranja estende o aspecto meio amargo e cítrico e o cardamomo completa com uma cremosidade bem aromática.

Na evolução ainda que a sálvia seja o destaque quem carrega o perfume nessa fase é o gerânio. Ele é o responsável por trazer a identidade fougere aromática na evolução e a sálvia reforça o link entre a saída cítrica e a base amadeirada e acrescenta um aspecto herbal. A pimenta preta para mim não se torna evidente e funciona mais como um elemento secundário distante.

A base é para mim o momento que torna mais evidente as semelhanças com o Aventus ou com os flankers do Aventus. Aqui temos algum sintético ou natural fazendo o papel de bétula e criando a sensação do tal musgo encorpado. Patchouli, cedro e vetiver complementam a cena com um aroma amadeirado equilibrado e um pouco terroso. Em termos de performance para mim Hôtel de Ville 193 não se mostrou como EDP. Para o consumidor que não é colecionador de perfumes, talvez esse possa interessar se vc ainda não achou um Aventus para chamar de seu.