5 de jul. de 2021

Amouge Interlude Black Iris Man - Avaliação do Perfume



Agradecimento especial à Kenia Ferreira por envio da amostra para análise. A Kênia está sempre cheia de novidades no instagram dela, o @kenia_kfparfum 

Avaliação em vídeohttps://youtu.be/zt_Ht_uOXVI

Eu acredito que o maior risco com o perfume Amouage Interlude Black Iris Man é o de julgar o livro justamente pela capa. De maneira geral a fragrância original do Interlude já explorava bem a intensidade olfativa do conceito do caos e já era negro e denso o suficiente. Entretanto temos que pensar aqui que estamos diante de um perfume de nicho e de uma casa que inclusive se dá ao trabalho de explicar todo o processo criativo que levou ao que é o primeiro flanker da casa.

O Black Iris em Interlude Man é proveniente da inspiração de uma pintura da artista estaduniense Georgia O'Keeffe. Georgia Pintou a Iris Negra em 1926 com uma maneira de capturar o aspecto delicado e precioso da Iris, como um quadro onde a artista explora uma paleta mais súbita de cores para explorar os detalhes da iris e transmitir sua beleza aos atarefados nova iorquinos. É como se assim a artista desejasse trazer a serenidade e delicadeza da natureza para o caos e intensidade urbana.

É esse o ponto central de entendimento em Interlude Black Iris Man. Essa não é uma fragrância mais negra ou uma fragrância literal no uso da iris. O que temos aqui é uma evolução do caos do Interlude Man para algo onde há uma certa serenidade e harmonia. Caos e natureza então convivem e encontram um meio termo no intenso aroma. 

A saída é um momento menos impactante nessa versão. A redução drástica no orégano e no alecrim tiram o aspecto emborrachado e trazem um aspecto mais adocicado de uma violeta mais clássica. O aroma da violeta é utilizado junto com a iris para trazer um aroma que explora mais o lado adocicado e amanteigado da iris do que o aspecto atalcado ou terroso. Nesse sentido Interlude Black Iris é um perfume que explora a ideia das pétlas de iris em si do que a própria iris.

Conforme evolui a fragrância nos leva no caminho familiar do Interlude tradicional, porém recalibrado para trazer essa sensação de conforto e serenidade em meio ao caos. As várias resinas aromáticas são suavizadas, a baunilha complementa o aspecto mais amanteigado e o agarwood e couro parecem mais redondos e harmônicos, acompanhados das notas amadeiradas do patchouli, sândalo e do cedro. Interlude Black Iris Man me faz pensar em maturidade, em como podemos continuar caóticos e únicos ao mesmo tempo que domesticamos nosso lado mais selvagem e agressivo. É uma fragrância interessante de ser observada mas que se encaixa na ideia de um perfume de nicho, no fato de que você precisa entender a experiência e o que é proposto para um público bem específico. Não temos algo massificado aqui, de maneira que não basta apenas ler as notas e o nome da fragrância.