9 de jul. de 2021

Interpretando Pirâmides Olfativas - Reflexão por Daniel Barros


Sobre o Autor: Daniel Barros é proprietário da Ego In Vitro - consultoria olfativa que ajuda pessoas a encontrar perfumes de acordo com seu estilo e personalidade. Também é perfumista independente, especialista em perfumaria e autor dos livros "202 Perfumes Para Provar Antes de Morrer - Edição Masculina", "303 Perfumes para Provar Antes de Morrer - Edição Feminina" e "1001 Perfumes - O Guia COmpleto".  O Daniel pode ser acompanhado pelo instagram Fragcoach

O conceito de pirâmide olfativa trifásica (notas de topo/saída, corpo/coração, base/fundo) foi criado pelo perfumista Jean Carles (1892-1966) para ilustrar os diferentes pesos e taxas de volatilidade de cada ingrediente e ensinar novos perfumistas a compor uma fragrância bela e harmoniosa, com boa evolução e desempenho. 

A evolução é importante porque dá vida ao perfume. O desempenho, tanto em termos de projeção/silagem como fixação/longevidade, depende da interação entre os ingredientes. 

Hoje uma pirâmide olfativa é ao mesmo tempo uma ferramenta de marketing e pedagógica essencial para o consumidor, mas que precisa ser interpretada com cautela.

Algumas observações para se ter em mente:

1- A pirâmide dá apenas uma ideia do cheiro; não há como saber o peso de cada uma das notas e como interagem.

2- A evolução não é matemática; notas de base podem dominar a saída e notas de saída podem sobreviver até o dry-down.

3- As notas divulgadas numa pirâmide olfativa na maioria das vezes não são ingredientes (p. ex. frutas são sintéticas).

4- Algumas notas como couro e âmbar são na verdade acordes e requerem diversos ingredientes que não são citados.

5- Por outro lado, um óleo essencial de vetiver indonésio pode acrescentar uma nota de tabaco, dispensando o uso de tabaco.

6- Nem todas as notas de um perfume são divulgadas; as polarizantes (p. ex. coco e menta) muitas vezes são omitidas.

7- Notas podem ser omitidas quando de fato não trazem informação relevante e só causam distração.

8- "Contém absoluto de" não significa que a nota é produzida só com naturais; pode ser 1% da composição da nota.

9- Não faz sentido usar a pirâmide olfativa para convencer uma pessoa de que a nota que ela sente "não existe".

10- Cada pessoa tem seu sistema límbico; não adianta tentar convencer que X é mentolado ou Y tem zero doçura.

Espero que as observações acima possam ajudar você a aprimorar a sua seleção na hora de comprar um perfume (imagem: Phebo).

Nenhum comentário: